Notícias do Dia

Consciência “filtrada”

0

CNH Industrial recicla mais de 20 mil filtros de óleo usados

Consciente de sua responsabilidade ambiental e da importância da logística reversa, a CNH Industrial por meio da área de Aftermarket Solutions, se associou à Abrafiltros (Associação Brasileira das Empresas de Filtros Automotivos e Industriais), para destinação adequada dos filtros de óleo usados.

Em menos de um ano de filiação ao Programa, aproximadamente 20 mil filtros de óleo de combustível usados foram recolhidos nos pontos de coleta e destinados à reciclagem, o equivalente a mais de 13 mil quilos em peças.

“Nosso objetivo é contribuir para que este material tenha um novo ciclo de vida em outras cadeias, evitando assim que os resíduos sejam descartados em aterros sanitários que levariam milhares de anos para decomposição e com riscos de contaminação do solo e da água”, esclarece Fábio Belasco, gerente de EHS da CNH Industrial para a América do Sul.

A Abrafiltros, por meio de cooperativas, realiza periodicamente a coleta e destinação dos filtros nos locais estabelecidos para o descarte.  Depois de coletados o material passa por uma triagem e lavagem dos componentes e então, são encaminhados para a devida reciclagem.

“O programa Descarte Consciente Abrafiltros veio para atender as legislações ambientais, iniciadas pelo estado de São Paulo. Hoje, contabilizamos a reciclagem de mais de 18 milhões de filtros usados do óleo lubrificante automotivo, cumprindo as metas estabelecidas nos Termos de Compromisso de cada estado onde está implementado. E, a CNH Industrial contribui com esses números, por estar entre as empresas associadas participantes do programa”, afirma João Moura, presidente da Abrafiltros.

A sustentabilidade é um dos pilares da CNH Industrial. Pelo nono ano consecutivo, o grupo é líder no setor de máquinas e equipamentos elétricos nos índices Dow Jones de sustentabilidade (DJSI), World e Europe.

“Rodados” ganham atenção especial

Previous article

Pandemia e a inviabilidade do transporte

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *