Pára ou não pára?
Greve dos caminhoneiros: moeda ilegal e pouco conhecida é vilã da categoria

Enquanto não há decisão unânime dos caminhoneiros em fazer ou não greve, diante da nova alta de combustíveis, a Ampef (Associação dos Meios de Pagamento Eletrônico de Frete) alerta para a carta-frete, a moeda ilegal muito adotada nas estradas brasileiras e que corrói até 20% do frete dos caminhoneiros, justamente na hora do pagamento do diesel.

A carta-frete é um vale que embarcadora, transportadora e embarcadores logísticos, que operam à margem da lei, entregam ao caminhoneiro como “pagamento” pelo frete. Funciona assim: os carreteiros recebem a carta-frete e devem trocá-la em postos de combustíveis previamente selecionados pelo contratante do frete. O abastecimento é obrigatório, nesses postos, que cobram ágio de até 20% por litro de diesel, esmagando a renda dos caminhoneiros.

 É uma prática criminosa ainda adotada nas estradas brasileiras, embora proibida por lei desde 2010. A lei determina que caminhoneiros autônomos devem receber por meio de cartão de pagamento ou depósito em conta. A carta-frete é crime.

Regime análogo à escravidão

A carta-frete foi classificada pelo jurista Ives Gandra Martins como análoga à escravidão, visto que o caminhoneiro não tem liberdade para consumir onde quer e precisa pagar um valor extra para cada consumo, em especial no abastecimento do veículo, o que corrói ainda mais o frete do carreteiro.

Não é só o caminhoneiro quem perde

A malfadada prática promove também um círculo vicioso de sonegação, acidentes e falta de investimentos nas estradas brasileiras. Para o jurista Modesto Carvalhosa, a carta-frete promove venda casada e abuso de poder econômico.

Uma pesquisa realizada pela consultoria Deloitte estimou que, em 2010, R$ 60 bilhões em frete transitavam na informalidade no país. A sonegação promovida pela carta-frete é da ordem de R$ 12 bilhões anualmente.

O presidente da Ampef, Selmo Pereira, destaca que combater a carta-frete é promover a cidadania do caminhoneiro. “Quando o caminhoneiro passa a receber como prevê a lei, via conta bancária ou cartão, ele não perde como ocorre quando utiliza a carta-frete. Além disso, quando está dentro da lei, ingressa na formalidade e passa a poder recorrer a empréstimos para financiar compra de novos veículos, por exemplo. Sabemos que a frota brasileira é bem antiga, com média de idade de 21 anos. O caminhoneiro também passa a contribuir com INSS. As transportadoras que trabalham na legalidade ganham ainda com a concorrência leal”, diz.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

+ dessa categoria
BR-135/MG impulsionada!

BR-135/MG impulsionada!

Pavimentação de trecho da BR-135 permitirá integração regional no norte de Minas Gerais

NTU se posiciona!

NTU se posiciona!

NTU pede medidas efetivas de estabilização do preço do diesel para evitar aumento da tarifa ou redução do transporte público

+ categorias