Fretes em alta e…digitalizado!
Estudo da Fretebras revela que o volume de fretes no Brasil aumentou 36,8% no primeiro trimestre

A Fretebras acaba de lançar a 7ª edição do “Relatório Fretebras — O Transporte Rodoviário de Cargas”, com base na análise de 2,2 milhões de fretes publicados no primeiro trimestre de 2022. De acordo com o estudo, o volume de fretes rodoviários no Brasil aumentou 36,8% na comparação com o primeiro trimestre de 2021, o que demonstra que o setor de transporte de cargas está cada vez mais digitalizado. Ao todo foram movimentados R$ 18 bilhões em fretes de janeiro a março de 2022.

O forte movimento de digitalização dos fretes continua impulsionando o crescimento de transações na plataforma Fretebras e transformando o setor de Transportes & Logística como um todo. Os dados da Fretebras demonstram que as transportadoras estão recorrendo a aplicativos para buscar caminhoneiros autônomos para realizar os transportes. Da mesma forma, os caminhoneiros estão cada vez mais conectados, já que hoje existem mais de 695 mil caminhoneiros cadastrados na plataforma da Fretebras.  

“O que temos notado é que o transporte rodoviário de cargas está cada vez mais digitalizado, com as transportadoras e os caminhoneiros autônomos utilizando plataformas online para realizar os fretes. Por conta disso, a gente consegue monitorar melhor as movimentações e ajudar eles com um transporte mais seguro e eficiente”, destaca Bruno Hacad, diretor de Operações da Fretebras.  

Rotas mais digitalizadas estão entre Sul e Sudeste

A plataforma da Fretebras consegue identificar uma série de movimentos que são uma verdadeira representação do transporte rodoviário de cargas. Pela primeira vez, o estudo buscou entender quais são as rotas que estão mais digitalizadas, ou seja, onde os transportadores têm olhado com mais frequência para a busca de caminhoneiros autônomos para o transporte de suas cargas.

“O grande fator que está por trás da digitalização das rotas é a pressão da inflação sobre os custos do transporte, puxada principalmente pela alta do diesel. O mercado tem notado que a contratação de autônomos usando aplicativos de frete, como o nosso, tem gerado economias de 20 a 30% quando comparado com frota própria. Por isso, grandes setores como agro, construção e indústria apostam por este tipo de solução. Naturalmente, Sul e Sudeste puxam o movimento, por serem regiões onde a digitalização está mais presente”, reforça Hacad.  

Olhando por setores, no agronegócio, a rota com mais movimentações de cargas por meio da plataforma da Fretebras no 1° trimestre de 2022 é entre São Borja-RS e Rio Grande-RS, com 1.453 fretes. Já entre os produtos industrializados, a rota mais movimentada é entre Curitiba-PR e São Paulo-SP, com 1.072 fretes. No setor de construção civil, a maioria dos fretes (2.514) foi feita entre Arcos-MG e Piracicaba-SP.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

+ dessa categoria
+ categorias