Que prejuízo!
Setor de ônibus coletivo urbano acumula prejuízo de R$ 36 bi e tem desafio de atrair novos passageiros

A pandemia de covid-19 causou uma perda financeira estimada em R$ 36 bilhões para o setor de transporte público por ônibus urbano, acumulado entre março de 2020 e fevereiro de 2023. Além do prejuízo irrecuperável, nos últimos três anos, o setor de transporte coletivo urbano por ônibus ainda sente outros reflexos negativos da pandemia. Segundo levantamento da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU),  além do prejuízo  financeiro, houve também a redução de 90 mil empregos diretos no setor – do início da pandemia até janeiro deste ano. Outro impacto foi a interrupção da prestação de serviço por 55 operadoras/consórcios operacionais, no período.  Ainda foram registradas 397 paralisações, em 108 sistemas de transportes coletivos por ônibus.


Além do quadro alarmante, a recuperação do número de passageiros transportados no pós-pandemia foi apenas parcial. De acordo com  estudos realizados, a demanda atual já atingiu  82,8% dos níveis verificados na pré-pandemia. “Recuperamos cerca de 80% da demanda que tínhamos (antes da pandemia), mas perdemos, definitivamente, uma parcela de clientes para o e-commerce, para o home-office, para os aplicativos e para a carona solidária”, esclarece Francisco Christovam, presidente-executivo da NTU. Christovam acrescenta que, ao contrário da expectativa de evolução positiva da demanda, a perda financeira jamais será recuperada. “Não se trata de uma receita diferida, ou seja, de recursos que deixamos de receber, mas que poderemos  reaver no futuro. É um dinheiro que nunca mais entrará no caixa das empresas operadoras”,  afirma o executivo.

Diante desse cenário, a NTU entende que existem três desafios a serem superados, a curto prazo,  pelas empresas: tentar recuperar  os passageiros que deixaram o ônibus e optaram por outros modos de deslocamento; não perder mais passageiros e atrair novos clientes. “Estamos cientes de que esse desafio é muito maior agora, porque, depois da pandemia, alguns atributos da viagem sofreram mudanças significativas. Atualmente, os passageiros se  tornaram mais exigentes e, para eles, não  basta que o serviço tenha regularidade e confiabilidade. Hoje, eles  querem também pontualidade, segurança, conforto, menos lotação e melhores condições de espera dos ônibus nas estações de embarque e desembarque”,  avalia o presidente.

O relatório da NTU revela ainda outro fenômeno do pós-pandemia, que é a implementação da tarifa zero, especialmente nas cidades de pequeno porte, com população menor do que 50 mil habitantes, que representam 55% dos casos. Hoje, no total, já são 74 cidades que adotam a tarifa zero, no país. Desse total, 67 implementaram tarifa zero em todo o sistema de transporte, durante todos os dias da semana. Em 3 cidades, a tarifa zero abrange todo o sistema, somente em dias específicos da semana; e, nas 4 cidades restantes, a tarifa zero engloba parcialmente o sistema, durante todos os dias da semana.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Prosper em ação!

Prosper em ação!

E a Marcopolo Rail com o Prosper inicia operação no trem do pampa

Asfalto bom e grama boa!

Asfalto bom e grama boa!

Como uma grama bem cuidada pode evitar acidentes e garantir a segurança em rodovias

Vento em popa!

Vento em popa!

MXP Transportes cresce 98% em receita líquida no 1º semestre de 2024

+ categorias