Pisar bem de leve!
38% das mortes em rodovias federais foram provocadas por falta de atenção e excesso de velocidade

A cada 10 mortes nas rodovias federais brasileiras no primeiro quadrimestre deste ano, quatro tiveram como causas a falta de atenção e o excesso de velocidade. Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), 624 mortes foram provocadas por esses fatores, o que corresponde a 38% de todos os óbitos (1.646) no período. “A desatenção e a imprudência dos motoristas são dois fatores que vêm fazendo cada vez mais vítimas no trânsito e estão diretamente relacionados à piora da saúde mental e psicológica do motorista brasileiro”, afirma o especialista em Medicina do Tráfego e diretor científico da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), Alysson Coimbra.

Desatenção

Estudo feito pela Ammetra com base nos dados da PRF revela que esses dois fatores causaram 43% dos acidentes no período. Entre as causas de acidentes que se caracterizam como falta de atenção, segundo a PRF, estão acessar a via sem observar a presença de outros veículos; ausência de reação do condutor; uso do celular na direção e reação tardia do condutor. Juntos, esses fatores provocaram 7.791 acidentes, que deixaram 479 mortos e 8.906 feridos.

No mesmo período, foram 1.403 sinistros provocados por excesso de velocidade, com 145 mortes e 1.717 feridos. “O número de sinistros vem caindo ao longo dos anos, mas essa queda seria maior se houvesse um cuidado adequado com a saúde mental do brasileiro. Aumento do estresse e ansiedade podem resultar em comportamentos agressivos e imprudentes, levando motoristas a dirigirem com excesso de velocidade, desobedecerem regras de trânsito e até mesmo se envolverem em brigas que podem terminar em tragédias”, observa o médico, que diariamente avalia a saúde física de motoristas brasileiros.

Dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) de Minas Gerais, divulgados pela imprensa em abril, mostraram que as infrações por desentendimentos no trânsito cresceram 43% em janeiro de 2023, na comparação com o mesmo período de 2022. “Isso é a prova de que precisamos de uma avaliação psicológica frequente dos motoristas. Hoje, o condutor só passa por uma avaliação quando pleiteia a CNH e, caso não exerça atividade remunerada, esse laudo psicológico é vitalício. Estudos apontam que o desenvolvimento cerebral ocorre, em média, ao longo de três décadas. Concordar com esse laudo vitalício sob o pretexto de reduzir custos é negligenciar alterações graves da saúde mental e psicológica que ainda podem surgir e colocar a vida de todos em risco”, afirma Coimbra, lembrando que os prejuízos econômicos com acidentes aos cofres públicos atinge a soma de R$ 50 bilhões por ano.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
ALMAX é 10!

ALMAX é 10!

Linha de lubrificantes ALMAX da VWCO completa 10 anos de mercado

Locação é o negócio!

Locação é o negócio!

Cabral & Sousa vê resultados e contrata mais 20 Transit por assinatura do Ford Go Frotas

Entregas finalizadas!

Entregas finalizadas!

Marcopolo finaliza a entrega de 174 ônibus para a Grupo Viação Garcia/Brasil Sul

+ categorias