Tags que facilitam muito!
Empresas e frotas são responsáveis por mais de 22% das tags eletrônicas em funcionamento no país

Aceitas em 100% dos pedágios brasileiros e em mais de 11 mil pontos urbanos de serviços e consumo em todo o país, as tags eletrônicas se popularizaram no Brasil desde que foram lançadas, no ano 2000, e têm chamado atenção por estarem se destacando no dia a dia de motoristas de empresas – sejam com frotas próprias ou terceirizadas –, agregando uma série de benefícios às operações logísticas do início ao fim da jornada. O segmento empresarial é responsável por 22,2% de todas as tags eletrônicas habilitadas no Brasil, de acordo com levantamento inédito da Associação Brasileira das Empresas de Pagamento Automático para Mobilidade (Abepam). Atualmente, são mais de 12 milhões de tags em funcionamento no país.  

Dentre os diversos benefícios, as tags eletrônicas facilitam o gerenciamento de dados essenciais à gestão dos negócios, destacam-se o acompanhamento de rotas e outras informações relevantes relacionadas a entregas e prazos. “Além de ampliar a visão dos gestores, as tags como meio de pagamento eletrônico proporcionam controle de todos os processos que envolvem o transporte logístico, bem como vantagens de ordem financeira, como descontos em tarifas de pedágio e economia de combustível, no caso de veículos pesados”, afirma Diego Ros Quinto, vice-presidente da Abepam e diretor financeiro da Move Mais. “O uso expressivo das tags nas empresas é reflexo do entendimento desses usuários em relação ao conjunto da oferta de benefícios, que são inúmeros”, explica o executivo.

Tags em frotas: economia de combustível para caminhoneiros  

Um dos benefícios do uso de tags em frotas comerciais de veículos pesados, por exemplo, é a economia de combustível pelo fato de os motoristas utilizarem as faixas exclusivas de cobrança automática e não precisarem parar completamente o veículo, encurtando também o tempo de viagem. Com a expansão do novo sistema free flow no Brasil, essa economia se torna ainda mais significativa, pois os veículos sequer precisam reduzir a velocidade de jornada para efetuar o pagamento automático via tag, o que ajuda a otimizar também a vida útil do sistema de freio.

Na prática, comparando as convencionais cabines de pedágio ao sistema free flow, um caminhão pode reduzir os gastos de combustível em até R$ 5 (cerca de 800 mililitros de diesel) por praça de pedágio, apenas por não precisar desacelerar, parar e reacelerar o veículo para retomar a viagem. E essa economia vai muito além dos custos financeiros diretos, pois os motoristas não enfrentam filas nas praças de cobrança, o transporte se torna mais rápido e bem menos nocivo ao meio ambiente. Por enquanto, o sistema free flow está disponível em três pórticos da rodovia Rio-Santos (BR-101), administrada pela CCR-RioSP, nas cidades de Paraty, Mangaratiba e Itaguaí, todas no litoral sul do Rio de Janeiro.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Diesel R5 com tudo em SP!

Diesel R5 com tudo em SP!

Petrobras dá início à comercialização de diesel com conteúdo renovável em São Paulo

25 anos de tortilhas!

25 anos de tortilhas!

Marcopolo México celebra 25 anos e anuncia produção nacional de ônibus elétricos e rodoviários

+ categorias