Trecho recuperado!
DNIT recupera mais 16 quilômetros da BR-471/RS, entre Rio Pardo e Santa Cruz do Sul

Fundamental para a integração das regiões norte e sul do Rio Grande do Sul a BR-471/RS teve um total de 16 quilômetros do pavimento revitalizados. O segmento, entre os municípios de Rio Pardo e Santa Cruz do Sul, recebeu um investimento de aproximadamente R$ 7,2 milhões do Governo Federal, garantindo melhores condições de trafegabilidade e segurança. Os serviços executados por equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em dois trechos descontínuos, entre o km 162 ao km 172 e do km 176 ao km 182, integram o contrato de manutenção/conservação rotineira da rodovia.

Ao longo dos 16 quilômetros foram realizados serviços para a reabilitação do pavimento e implantada nova sinalização horizontal. No primeiro semestre, a BR-471/RS também recebeu obras de melhorias entre o km 166 e o km 166,34, no trevo de acesso ao bairro Ramiz Galvão, em Rio Pardo, onde houve a implantação de uma faixa central e a colocação de canteiros para demarcação das pistas. A medida, que teve aporte de aproximadamente de R$ 1,5 milhão, facilitou o ingresso tanto para o bairro, quanto para a BR-471/RS. O acesso ainda recebeu serviços de terraplenagem, drenagem, pavimentação e sinalização.

A rodovia ainda recebeu outras melhorias nos acessos à Praia dos Ingazeiros (km 170 e km 170,7) e ao Parque de Exposição da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra). Nos locais, houve a remoção do pavimento antigo, aplicação de microrrevestimento no asfalto e revitalização da sinalização, além de serviços rotineiros como podas, drenagem e limpeza de valas.

Importância – Fundamental para a integração regional, a BR-471/RS faz ligação entre Soledade, na interseção com a BR-153/RS, no Norte do RS, e segue até Chuí, no extremo Sul do Estado. Permite ligação dos municípios integrantes do Vale do Rio Pardo, como Santa Cruz do Sul – que abriga as principais indústrias de tabaco do Brasil -, ao complexo portuário de Rio Grande e Pelotas. Considerada um corredor de exportação, a rodovia contribui para o escoamento da produção agrícola por meio do transporte de cargas, levando os produtos gaúchos também para o mercado internacional.

Com informações Dnit

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Mais desafios!

Mais desafios!

Setor de transportes se destaca no PIB em 2023, mas enfrenta desafios para o ano seguinte

Projetos aprovados!

Projetos aprovados!

Tribunal de Contas da União aprova projetos de concessão das rodovias BR-381/MG e BR-040/MG/GO

+ categorias