Estratégia como arma!
Incertezas econômicas estimulam a gestão estratégica nas empresas de transporte

A oscilação no preço dos combustíveis, principalmente o óleo diesel, gera reajustes nos valores do frete. Só nos últimos dois meses, o segmento enfrentou um aumento de 14,26% deste combustível, de acordo com a Petrobras. No entanto, a nova lei de limitação dos impostos proíbe os estados de cobrarem uma taxa superior ao Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de produtos essenciais, de 17% a 18% dependendo da localidade. Isso gerou no começo deste mês uma queda de 2% no valor final do diesel Segundo a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).

Historicamente, essas incertezas, associadas à falta de combustíveis, infraestrutura e de segurança nas estradas, criam a necessidade de os empresários investirem em estratégias de gestão para se prevenir dos próximos acontecimentos, o que inclui planejamentos assertivos e treinamentos internos.

Danilo Guedes, presidente da ABC Cargas, localizada em São Bernardo do Campo (SP), destaca a importância de um planejamento estratégico e como a sua empresa está lidando com a instabilidade econômica durante o ano. “Anualmente fazemos o nosso planejamento estratégico e estabelecemos metas para cada departamento da empresa. Assim, a cada mês, fazemos reuniões que chamamos de ‘rituais de gestão’, nas quais verificamos o andamento de cada meta e analisamos se devemos rever algo para dar mais consistência e cadência para atingirmos os objetivos estabelecidos. Alguns exemplos do que analisamos são faturamento, lucro, redução de avarias, satisfação de terceiros e programa de desenvolvimento individual”.

O aumento substancial nos bolsos das organizações consequentemente afeta as negociações com clientes e parceiros — ou seja, as companhias precisam estar em constante contato com eles para que esse repasse ou movimentação de valores seja menos impactante para ambos.

Danilo salienta que têm se tornado frequentes as negociações e que passou a ser um desafio conseguir encontrar um meio termo que seja bom para os dois lados. “Tem sido desafiador, pois todos os insumos aumentaram: pneus, aço, implemento rodoviário e salários. Contudo, temos bons contratos, e o diálogo com nossos clientes tem sido em alto nível e respeitoso até o momento. Entendemos que não é fácil para ninguém — nem para nós, nem para os clientes. Bom senso, paciência e resiliência são atitudes que devemos ter nesse período”.

Outro fator que vem incomodando bastante o setor é a falta de infraestrutura e seguranças nas rodovias. Segundo um levantamento da NTC&Logística, os roubos de carga tiveram aumento de 1,7% no país em 2021, e de acordo com a associação o número total de registros passou de 14.150, em 2020, para 14.400, no ano passado, acarretando um prejuízo financeiro de R$ 1,27 bilhão.

A região com o maior número de ocorrências foi a Sudeste, com 82% dos casos. Em seguida aparece a região Sul, com 6,82, seguida do Nordeste, com 5,44%, depois Centro-Oeste, com 3,66%, e Norte, com 1,42%. Dentre as mercadorias mais visadas estão alinhamentos, eletroeletrônicos, peças de veículos, defensivos agrícolas e produtos farmacêuticos.

O presidente da ABC Cargas relata que precisou se abdicar do transporte de alguns produtos, como pneus, cigarros e eletrônicos, para fugir do prejuízo com essas práticas nas estradas. “Infelizmente às vezes precisamos tirar da balança a compensação financeira e pensar na segurança como um todo da empresa, e principalmente dos nossos motoristas”.

Para estabelecer estratégias de como superar esses desafios, as empresas do segmento vêm buscando entender melhor o gerenciamento de risco, implantando ainda mais equipamentos de segurança com o auxílio da tecnologia e oferecendo suporte a quem está atrás do volante.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Novas tarifas!

Novas tarifas!

Tarifas de linhas semiurbanas de diversas regiões do país são atualizadas

Quase real!

Quase real!

Honeywell melhora sua experiência de treinamento industrial com tecnologia de realidade aumentada

+ categorias