Investir para ficar seguro!
Investimento das transportadoras em projetos de segurança reduzem os riscos nas estradas

O transporte de cargas, principalmente no modal rodoviário, requer atenção intensificada por parte das empresas deste seguimento. Isso porque, apesar de formarem somente 5% da frota veicular no Brasil, os veículos pesados, representado por caminhões, são os responsáveis por mais de 40% dos acidentes fatais em rodovias federais brasileiras, de acordo com o Anuário Estatístico da Polícia Federal, realizado neste ano.  

De acordo com os cálculos do Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o prejuízo por consequência desses acidentes supera R$ 12 bilhões e pode chegar a R$ 50 bilhões se incluídos auxílios assistenciais e despesas médicas.

Esse alto número de incidentes envolvendo os veículos do setor rodoviário de carga se dá muito pela falta de planejamento e de investimento em projetos, em conscientização de segurança e em manutenção preventiva dos veículos dentro das empresas com seus funcionários.  

Segundo Gislaine Zorzin, diretora administrativa e de novos negócios da Zorzin Logística, o investimento no quesito segurança precisa começar nos motoristas. “Acreditamos que a tecnologia é parte fundamental para evitar ocorrências que possam colocar em risco a segurança da operação. Porém, antes da tecnologia, é necessário e primordial cuidar da saúde e do bem-estar dos motoristas e de toda equipe, pois, a tecnologia por si só não evita acidentes -: quem pode evitá-los é o motorista que está operando o caminhão. Por isso, assegurar o bem-estar destas pessoas é primeira necessidade para termos operações mais seguras”.

As inconsistências do diesel e os demais custos da inflação que afetam o transporte rodoviário de cargas, – fazem caminhoneiros a esticarem a jornada de trabalho para reduzir o custo do frete e deslocamento, o que resulta em muitas autuações por descumprimento da Lei do Descanso. Segundo Estatísticas da Polícia Rodoviária Federal -, fornecidas a pedido da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), em 2022 foram 50.467 autuações por excesso de jornada, contra 15.825 de janeiro a junho de 2021.  

“Com os projetos aplicados na Zorzin, já percebemos inúmeras mudanças, principalmente comportamentais e de responsabilidade ao dirigir. Nosso objetivo é que todos entendam que essas ações são necessárias e que refletirão não só na vida profissional, mas na vida pessoal. A importância é diminuir, – cada vez mais -, a probabilidade de acidentes e fazermos o que for possível para mitigar riscos, pois é um investimento tanto para a vida do colaborador, – quanto da empresa”.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Novas tarifas!

Novas tarifas!

Tarifas de linhas semiurbanas de diversas regiões do país são atualizadas

Quase real!

Quase real!

Honeywell melhora sua experiência de treinamento industrial com tecnologia de realidade aumentada

+ categorias