Mais desafios à vista!
Transporte alimentício aumenta desafios devido às dificuldades econômicas

O momento instável da economia mundial tem acarretado desafios para o transporte rodoviário de cargas brasileiro. Além das dificuldades apresentadas nacionalmente, como falta de infraestrutura, burocratização e roubo de cargas, as empresas vêm sofrendo com consecutivos aumentos de produtos essenciais para o desenvolvimento de seus serviços. O óleo diesel, produto que representa 35% dos custos das transportadoras, por exemplo, tem sofrido consequentes aumentos desde janeiro de 2021. Além disso, segundo a plataforma de mercados financeiros Investing, o barril de petróleo tipo Brent, principal referência internacional para a commodity, encerrou abril a US$ 109,34.

Com o efeito da alta dos combustíveis, principalmente do diesel, as empresas do setor de transporte precisam reajustar o valor do frete, que é repassado para a indústria e consequentemente cria uma linha de aumentos nos preços de diversos itens essenciais para a população, primordialmente do setor alimentício.

Para Franco Gonçalves, gerente administrativo da TKE Logística, as empresas do setor de transportes conseguem repassar apenas parte dos diversos aumentos. “Hoje a maioria das empresas consegue repassar apenas o aumento de custos com combustível, quando conseguem. No entanto, repassar custos dos insumos e peças que também subiram e manter a margem adequada para uma renovação de frota, por exemplo, não está sendo possível para muitas empresas. O transporte de commodities, no qual atuamos na TKE, é sensível ao aumento de preço”.

Desde 2021, o preço médio do frete para os produtos do agronegócio vem em crescente, chegando a 1,2% em maio, em comparação ao mês de abril do mesmo ano, segundo o índice FreteBrás do Preço do Frete (IFPF). Porém, essa situação se agravou principalmente com o conflito no Leste Europeu entre russos e ucranianos no início de 2022, considerando que a Ucrânia é um dos nossos maiores parceiros comerciais na exportação de fertilizantes, assim prejudicando a produção de alimentos.

Para Franco, o principal desafio de sua empresa continuarão sendo as negociações com os clientes para encontrar “saídas” dessa situação. “As negociações junto aos nossos parceiros estão sendo mais frequentes, porque os custos aumentaram da mesma forma para nós, para eles e para o consumidor final também”, acrescenta o executivo.

O transporte de alimentos no Brasil é um dos setores que mais representam demanda, já que o país possui uma grande quantidade de insumos alimentícios que é desenvolvida para atender o mercado nacional e para suprir a logística de outros países. Com isso, o deslocamento desses produtos exige uma grande estrutura e atenção por parte das transportadoras.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

+ dessa categoria
BR-135/MG impulsionada!

BR-135/MG impulsionada!

Pavimentação de trecho da BR-135 permitirá integração regional no norte de Minas Gerais

NTU se posiciona!

NTU se posiciona!

NTU pede medidas efetivas de estabilização do preço do diesel para evitar aumento da tarifa ou redução do transporte público

+ categorias