Uma bela repaginada!
Oroch turbo 1.3 vem com excelente custo x benefício. Conjunto motor,  cambio e suspensão são os pontos fortes da picape da Renault

A Oroch da Renault definitivamente mudou e sim, para melhor. Ela chegou ao nosso mercado em 2015 e tinha uma das mais difíceis responsabilidades: competir de frente com a Toro, que chegou meses mais tarde. Os resultados de vendas todos sabemos, contudo, vamos nos ater na francesa, especialmente na boa versão turbo 1.3 Outsider TCe.

Está com novos parachoques na dianteira e grade que destaca bem a sua frente, dando uma ar de imponência que os donos desse tipo de picape gostam. São 4.719 mm de comprimento, 2.829 mm de entre eixos, largura de 1.834 mm e altura de 1.634 mm. Na sua caçamba ela carrega 683 litros com capacidade de carga de 650 kg e protetor de série. Tudo dentro do esperado para a categoria. Ah, por fora ainda não posso esquecer dessas belas rodas 16” 215/65, que especialmente nessa cor combinaram bastante.

Belas rodas 16” 215/65 combinam bem nessa cor Cinza Lune

Mas, se muitos reclamavam do interior, vamos lá. Ele mudou. Logo ao entrar os tons mais escuros me agradam. Seu cluster é de fácil visualização e junto a multimídia de 8” Easy link combina bem no habitáculo. As saídas de ar mais estreitas também deixam o visual agradável  para quem senta ali.

Mas claro que existem pênaltis. Na hora de me posicionar para iniciar a diversão, não consigo achar uma melhor posição devido a falta de regulagem de profundidade do volante, só tem o de altura..e sua direção é eletrohidraulica, algo que não deveria ser (culpa de uma plataforma mais antiga)……mas continuemos…pois ao girar a chave a cereja do bolo te aguarda…pelos menos para mim.

Cereja do bolo

O motor é um 1.3 turbo da aliança com a Daimler que entrega 162 cv na gasolina e 170 cv no álcool com bons 27.5 kgfm de torque aliado ao cambio CVT que simula 8 marchas. Como é de se esperar, sem solavancos. Tanto na cidade quanto na estrada ele garante boas aceleradas e boas retomadas também. Contribui na “lida” as suspensões independentes na dianteira e traseira, que dão mais estabilidade principalmente nas curvas. Se pegar pedras, ela também não faz feio.

Interior agrada com cores mas sóbrias mas faltou regulagem de profundidade do volante

Essa versão Turbo vem de série com capota marítima, câmera de ré, sensor crespuscular, direção eletrohidarulica, dois airbags (deveria vir com mais…)  e freios ABS, Controle de Estabilidade (ESP), Controle de Tração (TCS), Sistema Anti-capotamento (RMI) e Assistente de Partida em Rampas (HSA) e frenagem de emergência.

Vem sim com certa tecnologia para te deixar mais tranquilo. Mas o que preciso destacar foi o consumo. A Renault fala em 10,5 km/l na cidade e na estrada 11 km/l. No etanol, o consumo é de 7,4 km/L nas ruas e 7,8 km/L no circuito rodoviário. A picape estava abastecida com etanol e consegui fazer 6.6 km/l. Confesso que esperava mais em um circuito misto. Mas, se isso não for o suficiente para você ficar preocupado, por R$ 149.400 essa versão turbo vai te atender e muito bem. Mesmo porque é uma das mais baratas do segmento e vem com um conjunto motor, cambio e suspensão que não deve nada a ninguém.

Compartilhe essa matéria em suas redes sociais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ dessa categoria
Minha picape na garagem!

Minha picape na garagem!

Ford Maverick hibrida prova que andar de picape e gastar pouco na hora de encher o tanque é uma verdade absoluta

Boa de cidade e rodovia!

Boa de cidade e rodovia!

Levamos a versão 315 CDI Street para rodar nas grandes cidades e realizar uma viagem de 500 km. Conforto e economia de diesel foram os pontos altos do utilitário da Mercedes-Benz

Agrada pela honestidade!

Agrada pela honestidade!

Versão Attack da Frontier é parruda e aguenta o tranco. Picape foca no custo x benefício deixando tecnologias de segurança de lado

+ categorias